22/12/2015

E falando do tal do amor...

We Heart It

Já havia anoitecido, na verdade já eram duas da manhã, aqui de fora fazia frio, mas era o único lugar que eu conseguia pensar na vida. Não era difícil de enxergar o tanto que o egoísmo das pessoas havia aumentado, não todas lógico, muitos tinham a felicidade na frente de si, mas preferiam olhar por fora, como se a moldura fosse realmente mais importante e valiosa do que a pintura. Mas eu não, eu me encantei por toda aquela humildade, que posso dar a certeza que iluminaria qualquer túnel sem saída, beco ou quem sabe uma floresta inteira. Bastava um sorriso, e pronto, todos os problemas já estavam resolvidos, pensa em uma mente brilhante, que cada idéia já era solução, cada conselho um alívio pra alma. Eu nunca fui de reparar muito nas pessoas, mas se tinha algo que me enchia de orgulho era aquele esforço todo, podia fazer sol ou chuva e lá estava ele, buscando por tudo e sempre com toda sua honestidade, e ta aí outra coisa que não passava despercebida aos meus olhos, uma força de vontade incrível, uma grande dignidade e um coração de enorme bondade. Um menino de ouro, que se não tinha jeito ele fazia ter, só com uma gargalhada, pronto meu dia já estava alegre de verdade. Ficar doente não era bom, mas ser cuidada por ele era e não tinha palavra que descrevesse o que era ficar melhor antes do remédio fazer efeito. Eu me lembro de um filme que eu assisti uma vez, Zorro, lembro que não prestei atenção em momento algum desse filme, porque eu estava do lado dele, e acredite, minha concentração tirava uma folga. Eu me importava com muitas coisas, mas depois de um tempo passei a ver a vida de outro jeito, o lado simples dela é o melhor, acredite. AH, a gente era uma mistura, que nem feijão com arroz, calda com sorvete e claro, leite com café. A vida até que dava uma chacoalhada às vezes, mas sempre cruzava os caminhos de novo, como se fosse pra ser, e era. Nunca fui boa em falar de sentimentos, mas eles davam um empurrão na hora de falar, imagina um grande roseiral sem nenhuma rosa em plena primavera, pois então, era assim que eu me sentia quando ele não aparecia, como se algo faltasse, mas quando ele surgia pensa em um sol que brilhava forte, no final da tarde os pássaros voavam para longe para se aconchegar, mas alguns voltavam só para ouvir ele tocar, não havia um que não se sentia feliz, e não havia quem controlasse os pés para não querer dançar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário